Conheça nossas Trilhas

27 de maio de 2024
21.71°C New York
servir de imagem destaque para o artigo

O que são pré-moldados? Qual a diferença entre os pré-fabricados?

(Se preferir, clique no player para o ouvir a narração desse artigo! Queremos facilitar sua vida, desde consumir o nosso conteúdo até realizar o seu projeto.) =)

A construção civil está sempre se modernizando e, com isso, o aumento da procura por materiais que agilizam as obras. Porém, além de agilizar, é importante procurar materiais com outros benefícios, como um desconto maior, mais praticidade etc.

Dessa forma, iremos falar sobre um tipo de material que tem popularidade em outros países e, agora no Brasil. Mas, enfim, que materiais são esses?

 

Conheça os pré-moldados

É possível identificar uma estrutura com pré-moldados, pois geralmente são aquelas de concreto com elementos estruturais, como vigas, pilares e lajes. Além disso, os materiais pré-moldados não são tão rigorosos quanto ao seu controle de qualidade. E, também, é produzido fora do local em que é instalado.

No entanto, é indispensável que as empresas de construção tenham um maior aperfeiçoamento em relação ao nível de inspeção e fiscalização.

mostrar uma laje pré-moldada

A imagem acima mostra uma laje com materiais pré-moldados. Outrossim, clique aqui para ler o artigo que citamos brevemente os elementos pré-moldados. Inclusive, reutilizamos essa imagem apresentada, já que a mesma se encontra no artigo sobre lajes.

Conheça os pré-fabricados

Os pré-fabricados são semelhantes aos pré-moldados em alguns aspectos. Por exemplo, ambos os tipos são produzidos fora do local de produção, também chamado de local de instalação definitiva.

A produção dos pré-fabricados são feitas de maneira industrial e, durante as etapas de fabricação, são feitos testes de qualidade. Logo, o processo em si tende a ser mais rigoroso. Mas ainda, o produto é registrado com tipo de aço e concreto utilizado, data e assinatura dos responsáveis pelo produto.

mostrar materiais pré-fabricados

É importante ressaltar que, como os elementos pré-fabricados são produzidos e ambientes industriais, se torna de extrema importância que sua mão de obra seja especializada, e que suas etapas sejam feitas com acompanhamento de máquinas e equipamentos especializados.

As vantagens da construção modular

Bom, a construção modular nada mais é do que a construção com elementos pré-fabricados/pré-moldados. Ok, mas, de que forma esses materiais fazem parte da construção modular?

Resumidamente, os elementos pré-moldados e pré-fabricados são o que compõem esse tipo de construção, ou seja, os elementos principais. Dito isso, falaremos algumas vantagens deste tipo de construção.

  • Não gera tanto resíduo: por conta dos materiais serem pré-moldados ou pré-fabricados, ela não gera tanto entulho quanto o modo convencional. Aliás, clique aqui para conferir o que fazer com o entulho gerado na construção.
  • Maior contato com a sustentabilidade: a construção modular elimina a demolição, isso se dá ao fato de ela fácil realocação e as perdas são mínimas. Clique aqui para conhecer mais materiais sustentáveis de uma obra.
  • O tempo de obra é reduzido: a construção convencional gasta uma quantia de tempo mexendo com materiais, produzindo, formando alguns. Então, como a construção modelar não precisa passar por esse processo, ela tende a ser mais rápida.
  • Diferencial tecnológico: a construção conta com tecnologia BIM para visualização de peças, avaliação de desempenho e o reconhecimento de meios para aumentar economia e eficiência.
  • Economia na obra: com o seu tempo de obra e materiais reduzidos a construção acaba se tornando mais barata.

mostrar uma construção que usa materiais pré-moldados ou pré-fabricados

Não esqueça de sempre avaliar o projeto onde serão utilizados esses tipos de materiais, porque dependendo de sua obra, eles podem não ser os essenciais. Por exemplo, os pré-moldados geralmente são usados em pequenas obras, como obras residenciais e os pré-fabricados podem ser usados em grandes projetos, devido a sua maior durabilidade.

E aí, o que achou dos pré-moldados e pré-fabricados? Comente sua opinião e não esqueça de conferir mais artigos como esse acessando nossa Revista Digital.

Tipos de fundações - Entenda Antes

Conheça os tipos de fundações na construção civil

Toda casa é construída sobre uma fundação. Porém, nem toda casa é construída sobre o mesmo tipo de estrutura. Isso porque existem vários tipos de fundações na construção civil e a escolha do modelo ideal é baseada em vários fatores. Por exemplo, o design da construção, a localização geográfica, o tipo de solo e o orçamento do projeto. 

Então, se você está planejando uma construção e quer ter uma visão geral sobre o processo, está no lugar certo! 

Elaboramos este artigo para facilitar a sua compreensão sobre os primeiros passos práticos de uma construção e como escolher o melhor tipo de fundação para o seu caso. Aproveite o conteúdo e boa leitura!

O que são fundações?

Primeiramente, podemos definir as fundações (também chamadas de alicerces) como elementos estruturais de uma construção. A sua principal função é fornecer suporte para a construção, transferindo a carga da estrutura para o terreno na qual está apoiada. 

Assim, a fundação é a parte mais baixa do edifício, ou seja, a camada que está em contato direto com o solo. 

As fundações precisam ser bem resistentes para suportar o peso da construção e evitar problemas com a estrutura. Além disso, os engenheiros devem estudar o local com muito cuidado, já que todo o peso do edifício fica sobre o solo. 

Em um dos tópicos abaixo, explicaremos com mais detalhes sobre os tipos de solos e como eles interferem na escolha entre os tipos de fundações na construção civil. Por enquanto, você só precisa ter em mente que o solo para construção precisa ter resistência e rigidez suficientes para suportar a carga do edifício.
Tipos de fundações - Entenda Antes

JP Engenharia Construção e Reformas

Tipos de fundações na construção civil 

Existem vários tipos de fundações na construção civil, sendo que cada um é indicado para diferentes situações.

De modo geral, elas podem ser classificadas em fundações rasas e fundações profundas. A seguir, confira as principais características de cada tipo:

Fundações rasas ou superficiais 

O primeiro tipo de fundação na construção civil é o raso ou superficial. Nas fundações rasas, a carga da construção é transmitida ao solo principalmente pela pressão que distribuída na base da fundação.

Como o nome sugere, esse tipo de alicerce exige pouca escavação no solo e sua profundidade máxima é de 2,5 metros. Por isso, não é necessário ter grandes equipamentos para escavar o local.

Normalmente, os alicerces superficiais apresentam um custo de execução mais baixo em comparação com outros tipos de fundações na construção civil. Isso se deve, principalmente, ao menor consumo de materiais e menor complexidade na execução. 

As fundações rasas são comumente recomendadas para construções nas quais a carga da estrutura é baixa em relação à capacidade de suporte do solo. 

Os principais exemplos de fundações rasas utilizadas atualmente são: sapatas, radier e blocos.

Sapatas de fundação

A parte inferior e mais larga de uma fundação rasa é a sapata. De acordo com a NBR 6122/2010 (a norma que especifica os requisitos para o projeto e execução de fundações na engenharia civil), as sapatas têm a seguinte definição: 

“Elemento de fundação superficial, de concreto armado, dimensionado de modo que as tensões de tração nele resultantes sejam resistidas pelo emprego de armadura especialmente disposta para esse fim”. 

Em outras palavras, as sapatas de fundação são essenciais para suportar a carga da construção e aumentar a distribuição do peso no solo.

Normalmente, as sapatas possuem formato quadrado, retangular e trapezoidal e suportam cargas baixas a médias.

Além de ser um dos tipos de fundação na construção civil, as sapatas podem ser subdivididas nos seguintes grupos: isoladas, corridas e associadas. 

A sapata isolada é um dos tipos de fundações rasas mais utilizados na construção civil. A partir da sua base, ela é capaz de suportar a carga de uma coluna ou pilar. 

Tipos de fundações - Entenda Antes Já as sapatas corridas são construídas para suportar a carga de elementos contínuos, como paredes, muros etc. Assim, o peso da estrutura é distribuído de maneira linear. 

Em construções de pequeno porte, como em residências, as sapatas corridas podem ser feitas com alvenaria de tijolos. Mas, em construções de grande porte ou em fundações com mais de 1 metro, é mais indicado o uso de concreto armado.

Tipos de fundações (sapatas corridas) - Entenda Antes

Por fim, as sapatas associadas são utilizadas quando duas sapatas isoladas ficam muito próximas. Em uma situação assim, os elementos poderiam ficar sobrepostos ou um prejudicaria o funcionamento do outro por causa da curta distância. Assim, as sapatas associadas são capazes de suportar a carga de dois ou mais pilares. 

Tipos de fundações (sapatas associadas) - Entenda Antes

Radier 

Tipos de fundações (radier) - Entenda Antes

Nem sempre é vantajoso utilizar as sapatas corridas nas fundações. A principal situação em que o uso das sapatas corridas não é economicamente viável é quando a sua área é maior que a metade da construção.

Nesse caso, é mais vantajoso colocar todas as sapatas em um único elemento de fundação: o radier. Esse elemento feito com concreto armado é parecido com uma placa ou laje presente em toda a área construída. 

Os radiers ficam em contato direto com o solo. Assim, eles recebem todo o peso da construção e distribuem no terreno.

Como o radier é uma peça inteiriça, ele costuma ter uma alta rigidez, evitando problemas na fundação como recalque diferencial (que é um rebaixamento da construção). Porém, a estrutura do radier pode sofrer com algumas fissuras, já que é feito com concreto.

As fundações com radier apresentam algumas vantagens, como baixo custo, rapidez na execução e necessidade de pouca mão de obra. 

Blocos 

Tipos de fundações (blocos) - Entenda Antes

Este tipo de fundação é recomendado para construções com pequenas cargas, como uma residência, por exemplo. Para isso, a profundidade do alicerce deve ser entre 0,5 m e 1,0 m. 

Os blocos são elementos estruturais rígidos conectados entre si por vigas, também chamadas de baldrames. Eles podem ser construídos com concreto simples, alvenaria de tijolos comuns ou até mesmo pedra de mão. 

O próprio material do bloco é capaz de suportar as cargas do pilares. Dessa forma, não há necessidade de incluir armadura na fundação.

Fundações profundas

A NBR 6122/2010 define as fundações profundas como: 

“Elemento de fundação que transmite a carga ao terreno ou pela base (resistência de ponta) ou por sua superfície lateral (resistência de fuste) ou por uma combinação das duas, devendo sua ponta ou base estar assente em profundidade superior ao dobro de sua menor dimensão em planta, e no mínimo 3,0 m”. 

Diferentemente das fundações rasas, as fundações profundas exigem bastante movimentações no solo com o auxílio de máquinas específicas. 

Esses tipos de fundações são mais utilizados na construção civil em projetos de grande porte, onde há muita carga transmitida ao solo. 

Além disso, as fundações profundas são utilizadas quando as camadas mais superficiais do terreno são fracas. Assim, é necessário escavar o solo até encontrar uma área que suporte o peso da estrutura. 

Os principais tipos de fundações profundas são as estacas e os tubulões.

Estacas

As estacas são elementos utilizados em fundações profundas. Basicamente, elas são formadas por um cilindro apoiado no solo que serve como um suporte para a estrutura que será construída acima

Pesquisando mais profundamente sobre esse modelo de fundação, você perceberá que existem vários tipos de estacas. Assim, elas podem ser divididas de acordo com o material ( madeira, aço, concreto ou mistas) e pela característica de fabricação (moldadas in loco, pré-moldadas ou mistas).

As estacas de madeira são as mais antigas na construção civil. Esse tipo de fundação utiliza troncos de árvores cravados no solo maciço e instalados abaixo do nível da água . 

As estacas metálicas podem ser feitas com perfis laminados ou soldados, estacas tubulares ou trilhos soldados. É importante que as estacas de aço sejam resistentes à corrosão que ocorre naturalmente no material. Para isso, é necessário realizar um tratamento específico.

Esse tipo de estaca pode ser cravado em praticamente todos os tipos de terrenos. Além disso, as estacas de metálicas são facilmente cortadas ou emendadas e ainda suportam grandes cargas. Em contrapartida, uma desvantagem é o custo elevado em comparação com outros tipos de estacas. 

Tipos de fundações (estacas metálicas) - Entenda Antes

As estacas pré-moldadas de concreto podem ser feitas com concreto armado ou protendido. Normalmente, esse tipo de elemento é fabricado em empresas especializadas. Mas, em algumas situações, também pode ser moldado no canteiro de obras. 

Uma das vantagens das estacas pré-moldadas de concreto é a sua alta resistência e capacidade de carga. Por outro lado, o fato de serem pré-moldadas resulta em algumas limitações de comprimento para facilitar o transporte. 

Tipos de fundações (estacas de concreto) - Entenda Antes

Tubulões

Você já ouviu falar em tubulões? Esse é um dos elementos estruturais utilizados em fundações profundas para transmitir a carga da construção ao solo. Os tubulões possuem o formato cilíndrico e a base alargada.

Os tubulões podem variar de acordo com o método de escavação do solo. Assim, existem os tubulões a céu aberto. Eles são como um poço aberto manualmente ou com máquinas e, posteriormente, a estrutura é preenchida com concreto. 

Tipos de fundações (tubulões) - Entenda Antes

Tipos de fundações (tubulões) - Entenda Antes

Por outro lado, os tubulões com ar comprimido são utilizados em situações em que existe água no solo ou quando é necessário fazer a fundação em grandes profundidades. Para isso, uma injeção de ar comprimido impede que a água entre nos tubulões.

Tipos de solos X Tipos de fundações

Agora que você já conhece os principais tipos de fundações na construção civil é hora de entender um pouco mais sobre os tipos de solos. Afinal, uma boa fundação deve ter a capacidade de suportar a estrutura construída. Porém, de nada adianta uma fundação bem feita quando o solo não é adequado.

O solo precisa ser resistente e rígido o suficiente para não sofrer rupturas e não apresentar deformações que possam prejudicar a edificação. 

Portanto, antes de iniciar qualquer projeto, o engenheiro responsável pela construção deve fazer uma sondagem para analisar o tipo de solo do local.

Basicamente, existem três tipos de solos: argilosos (predominância de argila), arenosos (predominância de areia) e siltosos (predominância de silte). Essa divisão não é totalmente exata. Afinal, diferentes materiais acabam se misturando na natureza. 

Por isso, a divisão dos tipos de solo leva em consideração o material predominante em determinado terreno. Também é importante saber que a classificação dos solos é feita, basicamente, a partir do diâmetro das partículas, sendo que: 

  • A argila possui diâmetro de até 0,005mm;
  • O silte possui diâmetro entre 0,005mm e 0,050mm;
  • A areia tem o diâmetro entre 0,050 e 4,800mm.

Em palavras simples, o tamanho dos grãos serve para determinar a movimentação dos solos. Assim, quanto maior a medida, menor o índice de coesão. Em contrapartida, quanto menor o diâmetro, mais rígido é o solo. 

A seguir, vamos explicar as características dos diferentes solos e os tipos de fundações mais adequados para cada um deles.

Solo argiloso

Tipos de fundações (solo argiloso) - Entenda Antes

O solo argiloso é o mais comum no Brasil. Como o nome sugere, ele é formado predominantemente por argila (uma das principais matérias-primas para a fabricação de tijolos, telhas e pisos cerâmicos). 

Esse é o tipo de solo mais fino, o que significa que os grãos se unem facilmente. Na prática, o terreno argiloso é bem rígido e, portanto, é considerado o mais seguro para a construção civil.  

Normalmente, as edificações em solos argilosos são feitas sob fundações rasas. Assim, quando é preciso reforçar as sapatas, por exemplo, é recomendado utilizar os radiers. Além disso, o uso de estacas pode ser recomendado para reforçar a segurança em alguns casos mais raros. 

Solo arenoso

Tipos de fundações (solo arenoso) - Entenda Antes

Certamente, você já deve ter colocado um pouco de areia seca entre as mãos e percebeu como os grãos escorrem pelos dedos. Isso acontece porque a areia tem um baixo índice de coesão, ou seja, os grãos se separam facilmente. 

Assim, o solo arenoso é caracterizado principalmente por ser muito permeável e se movimentar com facilidade. Tais características representam um grande desafio na área da construção civil, já que o solo pode se mover com o excesso de carga. 

Contudo, isso não quer dizer que seja impossível construir em solos arenosos. Atualmente, existem técnicas de melhoramento para que o terreno fique mais estável, tornando a construção mais viável e segura. 

Ainda assim, a maneira mais comum de construir em um solo arenoso é a partir de uma fundação profunda. Dessa maneira, é possível alcançar uma camada de solo mais rígida, capaz de suportar o peso de um edifício. 

Normalmente, opta-se pelas fundações profundas com estacas de aço ou concreto armado que garantem a segurança e estabilidade da estrutura. 

Solo siltoso

Tipos de fundações (solo siltoso) - Entenda Antes

Enquanto a areia e a argila são considerados materiais nobres, o silte é de qualidade inferior. Isso porque o solo siltoso é fino como a argila, mas tem pouca coerência. Além disso, ele se transforma em lama com facilidade quando entra em contato com a água. 

Por causa dessas características, é mais complicado construir em terrenos desse tipo. Uma solução para viabilizar as obras é o uso de uma fundação com estacas mais profundas do que o convencional. 

Isso é necessário para evitar a movimentação do solo e dos lençóis freáticos em casos de tempestades, o que pode causar deslizamentos em casos de encostas. 

Como escolher o melhor tipo de fundação?

Afinal, com tantos tipos de fundações na construção civil, qual é o melhor? Não existe uma única resposta para essa questão. Na verdade, a análise deve deve ser feita pelo engenheiro responsável pelo projeto de fundação ou estrutural. 

Mas, de qualquer maneira, é importante que o cliente participe ativamente dessa etapa, já que os custos para realizar a fundação interferem diretamente na viabilização de uma construção. 

Dito isso, é importante que você saiba que existem vários fatores que ajudam a determinar o melhor tipo de fundação. As características do solo que explicamos no tópico acima é um dos principais critérios. Além disso, é necessário considerar a carga da edificação, os elementos estruturais que compõem a fundação e até o nível do lençol freático. 

Vale ressaltar que a fundação é um elemento essencial para garantir a segurança da edificação e dos seus moradores. Portanto, o processo de estudo e análise não deve ser negligenciado. 

Para você ter noção, uma fundação bem projetada representa de 3% a 10% do custo total de uma construção. Por outro lado, uma fundação mal feita pode custar de 5 a 10 vezes mais do que custaria a fundação mais adequada para a situação. Ou seja, o prejuízo pode ser grande!

 

Conclusão

E aí, solucionou todas as dúvidas sobre os tipos de fundações na construção civil? Você não precisa ser um expert no assunto, mas conhecer essas informações é um passo importante para quem está começando a construir. Com isso, você poderá evitar muita dor de cabeça e, claro, ajudar para o sucesso da sua obra!

Mas não podemos deixar de citar a importância de ter profissionais qualificados ao seu lado para projetar e executar a obra da melhor maneira!

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

Sistemas construtivos: tudo o que você precisa saber

Construir uma casa é a oportunidade de criar um imóvel adaptado ao seu estilo de vida e do jeito que você sempre sonhou. Mas, o que muitas pessoas que estão pensando em começar uma obra não dão a devida atenção é a escolha dos sistemas construtivos. 

Isso é essencial em qualquer obra, já que uma construção é muito mais do que centenas de tijolos empilhados. Na realidade, os tijolos cerâmicos que são utilizados na maioria dos edifícios brasileiros fazem parte de apenas um dos vários sistemas construtivos disponíveis na área da construção civil. 

Concreto, container, perfis de aço, madeira e PVC são apenas alguns exemplos de materiais alternativos utilizados para construir uma nova casa.


Escolher o sistema construtivo é uma decisão importante e que precisa da sua atenção ainda na fase de planejamento de obras. Isso porque o sistema construtivo interfere no custo da construção, no tempo de obra e na aparência da edificação.

Está perdido e não sabe quais são os sistemas construtivos existentes? Não tem problema! Criamos este guia completo para apresentar os principais métodos de construção, as vantagens e desvantagens de cada um e o que você precisa considerar antes de escolher a melhor técnica para o seu caso. Acompanhe! 

O que são os sistemas construtivos?

Em primeiro lugar, podemos definir um sistema construtivo como o conjunto de técnicas e tecnologias utilizadas para a construção de um edifício. Dessa maneira, os métodos construtivos correspondem à estrutura de uma casa ou prédio e servem para dar sustentação ao mesmo. 

As principais técnicas utilizadas atualmente são: alvenaria tradicional, alvenaria estrutural, wood frame, steel frame, concreto pré-moldado, paredes de concreto, container e concreto PVC. 

Mas não precisa se preocupar com o que cada um significa – pelo menos por enquanto. Mais adiante, explicaremos as características de todos.

A escolha do melhor sistema construtivo não é aleatória. Na verdade, é recomendado que o engenheiro civil ou arquiteto responsável pela obra realize um estudo preliminar para determinar qual o método ideal para cada caso. 

Para isso, o profissional precisa considerar as necessidades dos clientes, o tipo de construção, questões ambientais, orçamento, tempo de obra, materiais, mão de obra disponível etc. 

Optar pelo sistema construtivo adequado tem muitas vantagens, incluindo um processo de construção mais simples, melhor controle de qualidade e redução de desperdício. Além disso, ainda é possível reduzir custos e tornar um edifício de alta qualidade mais acessível. 

Veja também: Casas pré fabricadas – O Guia completo para quem vai investir em construção

Tipos de sistemas construtivos

Alvenaria convencional

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

André Sell Arquitetura

A alvenaria convencional ou de vedação é um dos sistemas construtivos mais comuns no Brasil. 

É provável que o principal motivo para a sua popularidade seja o fato de não exigir uma mão de obra muito especializada. Assim, praticamente qualquer profissional da construção civil está familiarizado com as construções em alvenaria. 

Basicamente, a construção de uma casa em alvenaria convencional é composta por tijolos cerâmicos que funcionam como divisórias para os ambientes. Já a parte estrutural da edificação fica por conta de vigas, pilares e lajes de concreto, que criam uma estrutura de sustentação. 

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

Freitas Arquitetura e Interiores

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

Bruna Alvim Campos

A alvenaria convencional é um dos sistemas construtivos mais tradicionais em qualquer lugar do país. Contudo, existem pontos positivos e negativos que precisam ser considerados.

As principais vantagens deste método são: 

  • facilidade para encontrar os materiais de construção;
  • custo mais baixo em comparação com outros métodos;
  • disponibilidade de mão de obra;
  • a estrutura suporta vãos grandes e médios;
  • maior facilidade para futuras reformas e/ou alterações no projeto.

Já as desvantagens da construção em alvenaria são as seguintes: 

  • o tempo de execução da obra é longo;
  • gera muitos entulhos e resíduos;
  • desperdício de  15 a 30% de materiais durante a obra;
  • existe a possibilidade de surgir trincas, fissuras e outros problemas no futuro.

Alvenaria estrutural

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

É provável que você já conheça algumas construções feitas em alvenaria estrutural. Este método construtivo também é bastante utilizado em diversos tipos de edificações, principalmente residenciais e comerciais.

As construções de alvenaria estrutural utilizam blocos de concreto ou cerâmicos fabricados especialmente para esse fim. Para tanto, os materiais possuem propriedades específicas que ajudam na estruturação do edifício.

Dessa maneira, os vigamentos, vergalhões e pilares são embutidos nos tijolos nos locais determinados no projeto elaborado pelo engenheiro civil. Isso ajuda a reduzir significativamente a quantidade de concreto, ferro e madeira para a obra.  

Diferentemente da alvenaria convencional, neste sistema construtivo, há a necessidade de mão de obra mais especializada. Afinal, há um grande risco de acidentes no local se as paredes que sustentam a construção não forem niveladas adequadamente. 

Para as construções com mais que quatro pavimentos, é recomendado que o engenheiro indique a utilização de barras de aço para deixar a estrutura mais resistente. 

Dentre as vantagens das construções em alvenaria estrutural, podemos destacar: 

  • maior agilidade na construção;
  • redução da quantidade de pessoas trabalhando na obra;
  • mais econômico financeiramente;
  • reduz gastos com reboco;
  • maior durabilidade do material, reduzindo a necessidade de manutenção;
  • menos desperdício de materiais;
  • facilita o planejamento da obra;
  • menor grau de dificuldade para a construção. 

Em contrapartida, os pontos negativos incluem:

  • limitação nos vãos livres;
  • não é possível remover as paredes sem colocar algum elemento estrutural para substituí-las;
  • não oferece muita liberdade estética para os projetos arquitetônicos, já que a estrutura não pode ser alterada.

Wood Frame

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

O wood frame é um dos sistemas construtivos mais populares em outros países, como Estados Unidos e Canadá. Aqui no Brasil, a técnica ainda é pouco utilizada, mas vem crescendo nos últimos anos. Por isso, é importante entender como funciona. 

De maneira geral, o método construtivo wood frame é composto por perfis de madeira – geralmente de reflorestamento, como o pinus. A madeira maçica é coberta por um sistema de proteção contra o vento que, normalmente, é feito com drywall (ou gesso acartonado), placas cimentícias ou chapas de OSB (um painel com tiras de madeira). 

Para garantir maior durabilidade e proteger contra cupins e umidade, é importante que a estrutura de madeira seja autoclavada. Além disso, os componentes da construção devem receber um tratamento específico para garantir que estrutura resista ao fogo. 

Normalmente, os edifícios de wood frame são relativamente leves e peso é distribuído igualmente entre das paredes. Por isso, a fundação radier – que é semelhante a uma laje de concreto armado – é bastante utilizada. 

Além disso, a sapata corrida – uma estrutura de concreto armado que fica logo abaixo das paredes – também pode ser utilizada para reforçar a estrutura. 

Mas não precisa se preocupar com esses termos técnicos por enquanto. Caso opte por este sistema construtivo, o engenheiro responsável deverá fazer um estudo do solo e indicar as principais recomendações antes de iniciar a obra. 

As construções com o método wood frame têm as seguintes vantagens: 

  • menor tempo de construção;
  • maior precisão ao executar a obra;
  • alto isolamento térmico e acústico;
  • pouco desperdício de materiais;
  • possibilidade de criar vãos espaçosos;
  • pequena quantidade de resíduos. 

Como todo sistema construtivo, também existem alguns desafios, como:

  • necessidade de mão de obra especializada;
  • limitação na quantidade de pavimentos;
  • necessidade de cuidados para proteger a madeira.

Steel Frame

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

O sistema construtivo steel frame, também conhecido como light steel frame é parecido com o wood frame. Basicamente, a estrutura da edificação é feita da mesma maneira que o método com madeira. Entretanto, o material utilizado no steel frame é o aço.

Com esta técnica, os perfis de aço galvanizado compõem o esqueleto da estrutura e o fechamento fica por conta de placas de madeira, cimentícias ou de drywall. 

Uma característica que chama a atenção é montagem relativamente simples. Para uma construção deste tipo, a fundação é simples e boa parte da estrutura já chega ao canteiro de obras pré-executada. 

A forma de montagem mais utilizada consiste em cortar os perfis de aço nas medidas do projeto e montar os painéis estruturais no canteiro de obras. 

Além disso, é possível comprar os painéis nas medidas certas e levar para o local apenas para a montagem. Essa técnica de montagem garante mais agilidade e reduz os gastos com mão de obra. 

As instalações elétricas e hidráulicas ficam no interior dos painéis e podem ser instaladas facilmente, sem muita bagunça.

O grande diferencial do steel frame em comparação a outros sistemas construtivos é que ele proporciona uma obra “limpa”. Ou seja, os resíduos gerados durante a construção são mínimos e o consumo de água é praticamente inexistente. Outras vantagens incluem: 

  • reduz o tempo de obra em até ⅓ em comparação à alvenaria convencional;
  • bom desempenho acústico e térmico com a instalação de lã de vidro entre as paredes e forro;
  • mínimo desperdício de materiais;
  • maior resistência;
  • maior flexibilidade para os projetos arquitetônicos;
  • manutenção da estrutura facilitada;
  • não apresenta riscos, como fissuras, rachaduras e trincas;

Em contrapartida, as principais desvantagens são: 

  • dificuldade para encontrar mão de obra especializada;
  • custo mais alto em comparação com outros sistemas construtivos;
  • limitação na quantidade de pavimentos. 

Paredes de concreto

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

Você já ouviu falar em construções com paredes de concreto? Este método construtivo é relativamente recente e passou a ser mais utilizado em obras residenciais principalmente com o aumento da demanda das casas populares. 

A tecnologia das paredes de concreto permite construir edifícios de até cinco pavimentos. Além disso, as construções podem ter até trinta pavimentos em alguns casos mais específicos.

De maneira simples, a técnica consiste em paredes estruturais maciças feitas com concreto armado. Para fazer as paredes, utiliza-se moldes metálicos, de madeira ou de plástico que, posteriormente, são preenchidos com concreto. 

Esse processo é feito in loco, ou seja, no canteiro de obras e as instalações elétricas e hidráulicas ficam embutidas no concreto. Assim, as medidas podem ser adaptadas de acordo com o projeto arquitetônico.

Como os moldes de concreto são personalizáveis e caros, este tipo de sistema construtivo pode ser inviável para a construção de apenas uma residência, por exemplo. 

Já as construções de larga escala, como condomínios e edifícios residenciais, podem se beneficiar deste processo, já que as formas podem ser reutilizadas várias vezes. 

Nesses casos, as paredes de concreto apresentam várias vantagens, incluindo: 

  • rápida execução da obra;
  • maior controle do prazo de construção;
  • baixa geração de resíduos;
  • alta durabilidade;
  • maior segurança estrutural;
  • resistência a altas temperaturas.

Dentre os pontos negativos, podemos destacar: 

  • baixo isolamento térmico e acústico;
  • não é possível fazer alterações após a construção;
  • não há possibilidade de improvisar durante a obra;
  • preço elevado para construções em pequena escala.

Só para exemplificar, o vídeo abaixo mostra de maneira bem simples como funciona o método construtivo de paredes de concreto moldadas in loco: 

Concreto pré-moldado

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

Apesar de utilizar a mesma matéria-prima, o sistema construtivo de concreto pré-moldado é diferente do anterior. A principal diferença está na maneira como as peças de concreto são fabricadas. 

No método do concreto pré-moldado, a estrutura de concreto é moldada na fábrica em um processo industrial de grande escala. Em seguida, o material é transportado até a obra e instalado no local adequado. 

O concreto pré-moldado é bastante utilizado, especialmente em galpões e empresas de grande porte. Nesses casos, a estrutura de concreto costuma ficar aparente. Mas, para garantir uma aparência menos grosseira, é possível utilizar placas cimentícias ou drywall. 

Em algumas construções, este método pode apresentar um bom custo benefício. Porém, é preciso analisar o tipo de construção e as limitações, já que o transporte das peças pode ser complicado. 

As principais vantagens de construir com o concreto pré-moldado são: 

  • maior velocidade na execução da obra;
  • economiza espaço no canteiro de obras;
  • pouca geração de resíduos;
  • sustenta vários pavimentos; 
  • possibilidade de criação de grandes vãos: de acordo com o projeto, é possível ter áreas de 30 até 60 metros de altura. 

Por outro lado, o concreto pré-moldado apresenta os seguintes desafios: 

  • pouca flexibilidade para os projetos;
  • alterações no projeto pode desperdiçar peças inteiras;
  • necessidade de mão de obra e equipamentos especializados.

Concreto PVC

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

O concreto PVC é um sistema construtivo modular composto por painéis de PVC que dão forma às paredes (internas e externas). Eles servem tanto para a função estrutural quanto para dar acabamento aos ambientes. 

A instalação é prática: os painéis são fabricados nas medidas de cada projeto e chegam prontos ao canteiro de obras. Então, eles são encaixados uns aos outros, funcionando como o esqueleto da edificação. 

Depois da montagem, é hora de instalar os componentes elétricos e hidráulicos dentro dos perfis de PVC. Em seguida, os painéis são  preenchidos por concreto para garantir que a estrutura fique firme. 

Além disso, em alguns projetos, pode ser necessário utilizar o aço estrutural para reforçar a resistência. 

Assim como em outros sistemas construtivos, como o steel frame, as fundações para esse tipo de obra são bem simples. Em construções com apenas um pavimento, uma laje radier é suficiente para suportar a estrutura. 

É válido citar que o PVC é lavável e pode ser encontrado em diversas cores. Por isso, os painéis também podem servir como acabamento, dispensando outros gastos.

Mas, quem pretende aplicar tinta, pisos ou papel de parede, por exemplo,não precisa se preocupar. O material também permite a aplicação de diversos tipos de revestimentos. 

O esquema abaixo ilustra como uma casa pode ser construída com este método:  

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

As vantagens de construir utilizando o Concreto PVC são:

  • mínimo desperdício de materiais;
  • canteiro de obras limpo e organizado;
  • maior agilidade na construção, podendo ser 3 vezes mais rápido do que uma construção em alvenaria;
  • bom isolamento térmico e acústico;
  • permite alterações após a construção;
  • menos pessoas trabalhando na obra.

Por outro lado, as desvantagens são:

  • custo elevado;
  • dificuldade para encontrar fornecedores;
  • baixa disponibilidade de mão de obra especializada;
  • apresenta pequenas vibrações na estrutura, por isso, não é recomendável para locais com ventos intensos.

Container 

Sistemas Construtivos - Entenda Antes

Por fim, já pensou em construir uma casa container? De uns tempos para cá, as construções em container estão se popularizando no país, especialmente entre aqueles que buscam uma solução econômica e sustentável. 

Assim, o material que era utilizado de forma mais grosseira, principalmente em escritórios e depósitos nos canteiros de obras, ganhou destaque na arquitetura e construção civil. 

Não é difícil entender as razões, já que as construções em container possuem uma aparência moderna e industrial que está em alta no momento. Mas, quem pretender construir com esta técnica precisa ir além do aspecto visual. 

Primeiramente, a estrutura do container precisa passar um processo de preparação que inclui: serralheria, funilaria e pintura. A fase de preparação pode ser feita na fábrica ou mesmo no canteiro de obras, dependendo das características do projeto. 

Este tipo de construção também possui algumas regras específicas para ser legalizado. Por exemplo, o laudo de habitabilidade certifica que a estrutura é segura e não está contaminada com agentes químicos, biológicos e radioativos.

Uma das principais vantagens de utilizar o container na construção civil é a sustentabilidade pois o material é reutilizado. Por isso, o container pode ser considerado um dos principais métodos construtivos alternativos. 

Além disso, existem outras vantagens:

  • redução de entulho no canteiro de obras;
  • rapidez na execução do projeto;
  • flexibilidade/mobilidade, pois a estrutura pode ser desmontada e montada novamente em outro local;
  • baixo custo;
  • economia de materiais de construção como areia, cimento, tijolo etc;
  • não precisa de fundação e terraplanagem;
  • durabilidade.

Por outro lado, as construções em container apresentam alguns desafios e cuidados, como: 

  • necessidade de espaço amplo  para manobra de guindastes;
  • exige cuidados específicos para garantir isolamento térmico e acústico;
  • necessidade de tratamento adequado para evitar ferrugem.

Conclusão

Em síntese, esses foram os sistemas construtivos mais utilizados na construção civil atualmente. Portanto, para encontrar o método mais adequado para sua construção, considere as características de cada um, a mão de obra disponível em sua região e a funcionalidade da edificação. 

Além disso, é essencial contar com o auxílio de profissionais, como engenheiros e arquitetos antes de tomar uma decisão. Os especialistas conhecem os sistemas construtivos a fundo e, certamente, poderão recomendar a melhor opção para o seu caso. 

Por fim, é a nossa vez de saber: qual dos sistemas construtivos acima você mais se identificou?

Shopping Basket
1