Conheça nossas Trilhas

22 de junho de 2024
24.42°C New York
casa sustentável

Como ter uma construção sustentável? Entenda Antes!

Nunca se falou tanto em construção sustentável como nos últimos anos e isso tem razão de ser.

A cada dia mais pessoas se conscientizam sobre o impacto das atividades humanas no meio ambiente e em paralelo, surgem muitas iniciativas com a intenção de garantir um futuro de qualidade para as próximas gerações.

E na área da construção civil não é  diferente. Afinal, trata-se de um setor que impacta negativamente no meio ambiente devido ao consumo excessivo de materiais, água e energia. Só para ter uma ideia desse impacto ambiental, saiba que, segundo o CBCS, o setor da construção civil consome 75% dos recursos naturais, 20% da água nas cidades e gera 80 milhões de toneladas/ano de resíduos.

Por isso muitas construtoras estão investindo forte em pesquisa e conhecimento para apresentar soluções eficazes para os principais problemas ambientais, ou seja, procurando fazer uma construção sustentável.

Mais do que uma tendência na engenharia, arquitetura e decoração, a sustentabilidade veio para ficar e se engana quem pensa que não seja possível aliar a moderna tecnologia com criação de edificações que atendam todas as necessidades de seus usuários.

E para que você fique por dentro do assunto, preparamos este conteúdo especial. Acompanhe e saiba mais sobre construção sustentável.

Boa leitura!

construção sustentável - casa de madeira

O que é construção sustentável

A construção sustentável é um conjunto de boas práticas que devem ser adotadas antes, durante e após os trabalhos de construção.  Seu objetivo é que se tenha uma edificação que não agrida o meio ambiente, que tenha o melhor conforto térmico sem a necessidade (ou com necessidade reduzida) de consumo de energia e que melhore a qualidade de vida dos seus moradores e/ou usuários. Além disso, para que uma construção seja considerada sustentável, ela deve ser executada utilizando-se   materiais e técnicas que garantam uma maior eficiência energética.

Aspectos ambientais, sociais e econômicos devem ser considerados em todas as etapas do processo de construção, tais como:

A origem da construção sustentável

A ideia de construção sustentável não é uma novidade, porém demorou para chegar no Brasil. Países da Europa, Estados Unidos e Japão já criaram inclusive incentivos para os empresários ou pessoas comuns que optem por uma construção sustentável ou ecologicamente correta. Assim, mesmo aquelas pessoas que não possuem muito capital disponível, podem investir em uma construção sustentável aproveitando os incentivos.

A aplicação do conceito de construção sustentável teve início após a Crise do Petróleo (década de 1970), que obrigou engenheiros e arquitetor a pensarem em novas formas de reduzir o consumo de energia. Após o término da crise, o conceito não sumiu e a tendência de levar a sustentabilidade a sério só cresceu a partir de então.

É importante destacar que somente durante parte do século XX os fundamentos da chamada arquitetura bioclimática, que veio a se chamar arquitetura sustentável foram perdidos. Isso porque as construções sempre levaram em consideração clima, ambiente, natureza etc. No entanto, durante o século XX, iniciou-se uma corrente  dentro da construção civil de abandono desses fundamentos, por conta do crescimento exponencial das cidades. E como você já pode imaginar, o impacto dessa corrente sobre a natureza foi absurdo, e somente a partir de sua segunda metade do século passado passou-se a rever essa política e seus impactos.

Evolução do conceito de construção sustentável

Em 1997, em Helsinki, na Finlândia, houve a primeira convenção internacional sobre construção sustentável. E, um ano após, no Reino Unido, lançou-se a primeira entidade de certificação de prédios sustentáveis, a BREEAM.

Atualmente, o número de prédios sustentáveis é grande. E o Brasil se destaca, ocupamos o  5º lugar entre os países que mais produzem prédios verdes no mundo. Estamos atrás apenas dos Estados Unidos, China, Canadá e Índia.

Construção ecológica X Construção sustentável

Há outro termo que costuma ser confundido com “construção sustentável”, é a “construção ecológica”.

Embora na prática os dois termos acabem sendo usados da mesma forma, o primeiro refere-se a uma prática mais comum no meio urbano e que visa à utilização de tecnologias que permitem a sustentabilidade da construção. Já o segundo está relacionado a técnicas de construção que utilizam materiais encontrados no próprio local da construção e propõe a menor interferência possível na paisagem.

Assim, podemos dizer que são construções  ecológicas as casas dos esquimós, feitas de gelo (um material encontrado no próprio local) e que praticamente se confunde com a paisagem.

construção sustentável - prédios verdes

Os 9 passos da construção sustentável

Segundo os profissionais da área existem nove passos que devem ser seguidos para que a construção seja considerada uma construção sustentável. São eles:

  1. Planejamento da obra de forma sustentável
  2. Aproveitamento dos recursos naturais disponíveis. Ventilação e luminosidade naturais, por exemplo, ao invés de ar condicionado e iluminação artificial durante o dia
  3. Eficiência energética
  4. Gestão e economia de água
  5. Gestão de resíduos
  6. Qualidade do ar e ambiente interior
  7. Conforto térmico e acústico
  8. Uso racional dos materiais
  9. Uso de tecnologias e produtos que não agridam o meio ambiente.

Assim, uma edificação sustentável começa antes mesmo da construção. Deve- ser analisado o ciclo de vida do empreendimento e dos materiais usados, o estudo do impacto ambiental da construção, um planejamento da gestão dos resíduos que serão gerados e melhor forma de utilização do material, além do que a planta deve ser planejada de modo que aproveite o máximo possível dos recursos naturais disponíveis (como ventilação e luminosidade natural) e promova a redução do consumo de energia e água através do reuso e implantação de formas alternativas de energia como a energia solar, a energia eólica e etc.

Já durante a construção, devem ser adotados cuidados para evitar o desperdício de materiais. O que além de gerar ganhos ambientais com minimização do uso de matérias-primas ainda gera ganhos econômicos para o dono da obra que economizará com materiais.

Quando finalizada a obra devem ser observados os cuidados necessários à destinação dos resíduos da construção e em todas as etapas devem ser utilizados materiais não tóxicos. Alguns dos materiais “condenados” por qualquer padrão de construção sustentável são: amianto, chumbo e alumínio.

A construção sustentável depois de pronta deverá ter coleta seletiva e um local específico para acondicionar os resíduos recicláveis. Aos ocupantes ou proprietários caberá apenas desfrutar de uma construção saudável, ecologicamente correta e econômica.

Materiais e soluções sustentáveis na construção

Um ponto muito importante quando falamos de construção sustentável é a escolha dos materiais que serão usados, bem como das soluções que serão utilizadas no decorrer da obra. Isso fará toda diferença. Confira a seguir alguns desses materiais.

Bioconcreto ou concreto vivo

Já falamos do concreto vivo aqui no blog e é realmente um tema fascinante e ao mesmo tempo muito simples.

A superbactéria Bacillus pseudofirmus é inserida na mistura de concreto tradicional e é ativada quando entra em contato com água ou oxigênio.

Assim, quando o concreto começa a desgastar, as bactérias entram em cena, se abrem e provocando reações químicas. Por sua vez, essas reações químicas promovem a regeneração do concreto.

Bioconcreto - Concreto vivo - Construção sustentável

 

Telhado verde

Essa é uma excelente ideia quando se pretende unir estética e utilidade. O objetivo do telhado verde, do qual também já falamos aqui no blog, é reduzir os impactos causados pela falta de arborização e ao mesmo tempo amenizar a temperatura dentro do imóvel.

De acordo com uma pesquisa do EnergySavers, os telhados verdes são capazes de reduzir as chamadas ilhas de calor, muito frequentes nas grandes cidades.

O que acontece é que as plantas funcionam como um filtro de ar natural, refletindo mais raios do sol que telhas convencionais.

Materiais Ecológicos - Construção sustentável - Telhado verde

Bambu

O bambu é também outro excelente material para ser usado na construção. Ele pode ser utilizado com diversos fins na construção civil. Seja como matéria prima para a fabricação de portas e pisos, seja para substituir o concreto armado.

Ao contrário de outras espécies, ele tem um crescimento acelerado. Com isso, é possível que sua colheita seja feita todos os anos sem prejudicar o meio ambiente. No mais, o bambu tem alta durabilidade, possui fácil instalação e manutenção.

E claro, o bambu também fica lindo quando utilizado na decoração e no paisagismo.

bambu - construção sustentável

Adobe

O tijolo de adobe é aquele feito a partir da mistura de argila, com areia e água. Ele é bastante usado principalmente nas regiões de solo argiloso e clima seco.

O tijolo adobe é ótimo indicado para a construção de alvenarias estruturais externas, porque, depois de seco, adquire uma alta resistência. E no mais, tem uma excelente propriedade acústica.

Tinta ecológica

As tintas ecológicas são feitas a partir de matérias-primas as totalmente naturais. Nelas não são utilizados insumos derivados do petróleo ou componentes sintéticos.

Algumas tintas são, inclusive, até mesmo livres de  compostos orgânicos voláteis (COVs). Substâncias essas que podem ser agressivos à saúde e que contribuem para a destruição da camada de ozônio.

Tinta ecológica - cosntrução sustentável

Vidro inteligente

Os chamados vidros eletrocrômicos ou vidros inteligentes são uma novidade que prometem virar tendência na construção sustentável.

Eles possibilitam o controle de quanto uma área será iluminada, bem como da transparência aos raios solares na fachada ou até mesmo em ambientes internos. Assim, dependendo da temperatura do dia, é possível ajustar os controles para maior ou menor entrada de luz pelo vidro.

Com o uso dos vidros inteligentes é possível uma economia de mais de 25%. E isso é possível já que se evita gastos com iluminação, ventilação e ar-condicionado.

vidro inteligente - construção sustentável

Lâmpadas de alta eficiência energética

As lâmpadas fluorescentes compactas vieram para ficar e tem tudo a ver com sustentabilidade.

Ainda que mais caras que as lâmpadas comuns, elas compensam o gasto inicial na economia de energia. Com o uso delas, pode-se reduzir em até 80% o gasto com iluminação.

No mais, elas desperdiçam pouca energia, não esquentam e duram 10 vezes mais que as convencionais.

Por isso, na hora do projeto de iluminação vale a pena levar esse tipo de lâmpada em consideração.

lâmpada - construção sustentável

Containers

containers - construção sustentável

Embora os containers não sejam exatamente um material de construção, eles tem tudo a ver com a proposta de sustentabilidade. E, o que era apenas moda, passou a ser muito usado quando se pensa em construção sustentável.

As estruturas de containers economizam até 30% na construção de uma casa ou edifício em relação a um projeto tradicional.

A casa sustentável

Já falamos aqui no blog sobre casa sustentável, mas vale citar aqui que uma casa sustentável é aquela projetada e construída de forma que agrida o mínimo possível o meio ambiente. Além disso, não pode-se esquecer que é necessário assegurar a segurança e bem-estar dos moradores.

De forma resumida, podemos dizer que as características essenciais de uma casa sustentável são, entre elas:

  • Uso da energia solar é essencial.
  • Uso de formas alternativas para evitar o desperdício de água.  Calhas, tubulações e filtros são usados para conter a água das chuvas e direcioná-las para destinos diretos.
  • Janelas maiores e que permitam grande entrada de luz solar direta no ambiente, permitindo o uso reduzida de luz artificial durante o dia e assim economizando energia.
  • Ao escolher lâmpadas prefira as fluorescentes que consomem um quarto a menos de energia que as tradicionais incandescentes, ou escolha as lâmpadas LED que também são muito eficientes no âmbito sustentável, devido a sua alta duração.
  • Uma construção sustentável não pode causar danos à natureza. Ou seja, sem contaminação do  solo, poluição da água, do ar e ar ou desmatamento da área no entorno.
  • Uso de materiais certificados.
  • Uso de madeira de reflorestamento.
  • Descarte correto dos resíduos e entulhos gerados na construção.
  • Uso de aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos que indicam uma maior e melhor eficiência energética. Ou seja, que consumam menos energia.

casa sustentável - construção sustentável

Arquitetura vernacular e sustentabilidade

Outo aspecto interessante a ser abordado quando se fala em construção sustentável é arquitetura vernacular. Ou seja, a arquitetura construída com técnicas e materiais originários de uma região específica, um conhecimento geralmente passado de geração a geração.

Ela pode ser chamada de sustentável porque utiliza técnicas bioclimáticas passivas e materiais com baixa energia incorporada. Entretanto, nem toda arquitetura sustentável pode ser considerada vernacular.

E como a preocupação com a sustentabilidade se torna cada vez mais presente, é importante valorizar a sabedoria das técnica regionais. A arquitetura vernacular é sempre bela e adequada para o local onde está inserida.

Se você deseja incorporar técnicas sustentáveis na sua construção, vale a pena procurar saber mais sobre a arquitetura vernacular. É interessante perceber que as comunidades antigas já faziam algo que nós temos nos esforçado para descobrir, que seja, como viver de forma sustentável.

Cada região do planeta possui suas características próprias e singulares. E essas diferenças, incluindo questões tecnológicas, econômicas, históricas e ambientais, acabam se refletindo na arquitetura.

Para saber mais sobre arquitetura vernacular, vale a pena conferir nosso artigo Já ouviu falar sobre Arquitetura Vernacular?

Materiais Ecológicos

Conheça os Materiais Ecológicos para Construção!

(Se preferir, clique no player para o ouvir a narração desse artigo! Queremos facilitar sua vida, desde consumir o nosso conteúdo até realizar o seu projeto.) =)

A construção civil está em constante mudança, devido as novidades que surgem todo ano no mercado. Além dessas novidades, as pessoas estão buscando cada vez mais alternativas para não prejudicar o meio ambiente.

Dessa forma, a procura por materiais de construção que sejam sustentáveis cresceu. Mas, grande parte dos cidadãos que estão planejando fazer uma obra não conhecem esse tipo de material de construção ecológico.

Sendo assim, listaremos alguns deles que podem ser usados para ajudar o meio ambiente.

Confira os 8 materiais ecológicos para usar na construção civil.

1- Telhado Verde

Materiais Ecológicos

O telhado ecológico ou telhado verde, é um tipo de telhado que permite o crescimento de vegetação em sua superfície.

Ademais, ela pode ser de desde gramas e plantas de pequeno porte até algumas árvores, isso varia já que o tamanho da obra influencia muito na hora do plantio.

Ele garante diversas vantagens, tanto para o meio ambiente quanto para a população, como a melhoria na qualidade do ar, redução de temperatura, equilíbrio ambiental, entre outras.

A Revista Digital do Entenda Antes já postou uma matéria falando de forma mais aprofundada sobre ele, sendo assim, confira para aprender mais sobre o que é um telhado verde e como fazê-lo.

2- Bambu

Materiais Ecológicos

O bambu tem se tornado cada vez mais comum na arquitetura mundial.

No Brasil ele é pouco utilizado, porém, os orientais já estão mais familiarizados com bambus em suas obras. Algumas características presentes no bambu são a durabilidade, resistência, leveza etc.

Um grande exemplo de que o bambu é um grande material sustentável é a Green School localizada em Bali na Indonésia, fundada por John e Cynthia Hardy em 2006, a “escola verde” como é conhecida, atrai a visita de diversos turistas todos os anos.

3- Tinta Ecológica

Ao contrário de grande parte das tintas convencionais que contém alguns materiais tóxicos, as tintas ecológicas utilizam apenas produtos naturais, como a argila, plantas e vegetais, a água etc. Dessa forma, ela não agride o meio ambiente.

Grande parte dessas tintas são livres de COV (Compostos Orgânicos Voláteis) e isso é uma grande vantagem, já que elas não influenciam de maneira negativa o ar e ainda preservam a camada de ozônio.

Materiais Ecológicos

4- Tijolos ecológicos

Muito utilizado no Brasil, os tijolos ecológicos são feitos a partir de alguns resíduos gerados na construção civil, permitindo o reaproveitamento desses resíduos de forma positiva.

Suas vantagens incluem a redução da demanda energética, geração de oportunidades locais, facilidade de execução, a diminuição de materiais em obras etc.

Além desse tipo de tijolo, encontra-se o REPLAST, um tijolo que também é ecológico.

No entanto, em sua criação são usados os plásticos retirados do oceano e desperdiçados.

Além disso, ele não emite o CO² e não precisa de argamassa, cola e adesivos para sua fixação.

Se interessou pelo tijolo ecológico? Confira nossa matéria onde vem falando mais a fundo sobre ele!! Clique aqui e Entenda Antes!

Materiais Ecológicos

5- Bioplástico

O bioplástico é produzido de fontes renováveis, como a cana-de-açúcar, batata, amido de milho e beterraba. Além disso, ele se decompõe muito mais rápido na natureza que o plástico sintético.

Além das qualidades sustentáveis já citadas, os bioplásticos garantem diversas outras, como por exemplo, a redução de emissão de gases poluentes e utilização de menos energia em sua criação.

E, devido a sua grande produção de cana-de-açúcar, o Brasil tem muita importância na criação desse tipo de material ecológico.

6- Telhas ECOTOP

As telhas ecotop são inteiramente compostas por materiais reciclados, sendo 75% de plásticos PEBD (Polietileno de Baixa Densidade) fabricado com aparas de tubos de creme dental, resíduos pós-industriais etc. e 25% de alumínio.

Elas são leves, impermeáveis, isolantes termoacústicos e sua absorção do calor é baixa, esse material ainda pode ser reciclado

7- Argamassa de Argila

A argamassa de argila é totalmente sustentável e, tem como função assentar ou colar blocos, ela ainda pode ser aplicada sobre uma parede erguida e permitir que essa parede receba diversos revestimentos, como pintura ou cerâmica.

Essa argamassa, ainda garante um grande desempenho termoacústico e diminui o aumento excessivo da umidade nos ambientes.

Materiais Ecológicos

8- Bioconcreto

Por último, mas nem por isso menos importante, o bioconcreto é uma alternativa para evitar o uso do concreto convencional.

E, ele ainda conta com um diferencial muito curioso, ele se regenera sozinho.

Para conhecer esse tipo de material ecológico, acesse nossa matéria sobre BIOCONCRETO e conheça mais sobre ele.

Conta aí, você já conhecia algum dos materiais ecológicos citados? Então, acesse nossa Revista Digital e fique por dentro das novidades do mundo da construção civil.

Bioconcreto

BIOCONCRETO, o concreto que se regenera sozinho!

(Se preferir, clique no player para o ouvir a narração desse artigo! Queremos facilitar sua vida, desde consumir o nosso conteúdo até realizar o seu projeto.) =)

O concreto, como todo material usado na construção civil, é suscetível a uma série de problemas que reduzem sua durabilidade e resistência. Por isso, pesquisadores holandeses da Universidade de Delft, chefiados pelo microbiólogo Henk Jonkers, desenvolveram o chamado bioconcreto ou concreto vivo.

O grande diferencial do bioconcreto para os outros tipos de concreto é que ele se regenera sozinho e é totalmente inspirado na natureza.

Ficou interessado no assunto? Então acompanhe nosso texto e conheça o bioconcreto, uma material que, nas palavras dos cientistas envolvidos no projeto, “vai revolucionar a maneira como construímos”.

Acompanhe e boa leitura!

Bioconcreto - Concreto vivo

Como funciona o bioconcreto

A solução para a auto regeneração do concreto veio diretamente da biologia, mais precisamente do estudo das bactérias.

A ideia era utilizar bactérias dormentes que fossem capazes de sobreviver a um ambiente de alto pH,  como é o caso do concreto. Elas deveriam também possuir a característica de serem ativadas quando detectassem presença de umidade no ambiente. Ou seja, elas deveriam despertar quando houvessem fissuras ou rachaduras na estrutura que permitissem a entrada de água.

Como se percebe, as bactérias tem uma função fundamental no bioconcreto. Mas claro, não poderia ser qualquer bactéria. As bactérias utilizadas no concreto vivo deveriam ser aquelas que eliminam calcário como produto de sua digestão. E, como você já pode imaginar, é justamente esse calcário que vai preencher o espaço aberto nas fissuras ou rachaduras.

No mais, essas bactérias devem ainda ter a capacidade de sobreviver em um ambiente com alto pH e para isso ela devem formar endósporos, uma espécie de proteção que permite que elas permaneçam inativas por longos períodos.

Interessante, não? A partir dessas premissas, os cientistas partiram em busca de uma espécie de bactéria que fosse capaz de desempenhar essa função de regeneração do concreto. Após algum tempo, ela foi encontrada na Rússia, em lagos que possuem um alto pH e também em crateras de vulcões ativos.

E aqui, vale destacar um dado surpreendente: essas bactérias formam esporos e podem sobreviver por mais de 200 anos nas construções.

Regeneração do Bio-concreto

Como é feita a regeneração do concreto

Quando existem danos como rachaduras, a estrutura interna é exposta à umidade. E isso, por sua vez, ativa as bactérias. Quando elas “acordam”, passam a consumir o lactato de cálcio da mistura. Como resultado da digestão, elas liberam calcário que ocupa o espaço aberto pela rachadura. E detalhe: tudo isso ocorre em um prazo médio de três semanas.

O bio-concreto pode recuperar rachaduras de qualquer comprimento. Porém, com uma largura máxima de 0.8 milímetros.

Bioconcreto

Custos do bioconcreto

Um dos objetivos do bioconcreto é diminuir o custo de manutenção de construções. Porém, o custo para implementar essa tecnologia é muito alto. Seu custo de produção na Europa é quase o dobro do custo do concreto comum.

Em contrapartida, a vida útil de 200 anos da bactéria é uma grande vantagem competitiva. Afinal, isso reduz consideravelmente os custos de manutenção e é altamente sustentável.

Como se sabe, cerca de  7% das emissões de dióxido de carbono no mundo são causadas pela fabricação de cimento. Mas, com o uso de um material que se regenera sozinho, a produção de cimento poderia ser reduzida. Com um material que se auto regenera, parte dessa produção seria reduzida.

Gostou de saber mais sobre o bioconcreto ou concreto vivo? Então, não deixe de acompanhar nossa revista digital. Nela você encontra  notícias e novidades do mercado da construção, arquitetura e decoração e dessa forma,  se manter sempre atualizado.

Shopping Basket
1